sábado, 10 de maio de 2008

Google: Invasão de Privacidade e Propriedade?

Eu sou fã do Google, como bem já sabem os leitores deste blog. Uma das frases bacanas que era meio que um slogan dos caras é "Don´t be Evil" (Não seja mau). Esta frase faz parte da cultura da empresa e é a primeira coisa no Código de Conduta deles.

No entanto, dando uma pesquisada e depois de ouvir uma teoria da conspiração por ai, resolvi dar uma pesquisada nos termos de privacidade do Google. Tente procurar.

É, eu também não achei muito fácil. No entanto, usando o próprio Google, você acha uma declaração de privacidade em alguns lugares, em versões reduzida e extendida e também acha um interessante documento chamado Termos de Serviço (que também tem uma versão reduzida). Tudo muito transparente, como diz o próprio Google.

Bom, se você não clicou nos links acima, e não leu ainda, saiba que qualquer usuário do Gmail ou de serviços do Google, como por exemplo o Orkut, já concordou com eles:

image 

Eu tenho certeza que mais de 90% das pessoas nunca percebeu este detalhe...

Olhando mais de perto

Então, vamos dar uma olhada em alguns dos termos da versão resumida dos Termos de Serviço. Veja o que ela diz:

(...)

"A sua relação com a Google

  • Sempre que usar os nossos serviços estará a faze-lo ao abrigo de um contrato legalmente estabelecido com a Google.
  • Este contrato é composto pelos Termos de Utilização e as Notificações Legais relacionadas com os serviços que estejam a ser utilizados."

Ou seja, estamos amarrados aos documentos acima.

  • Tornaremos disponíveis quaisquer notificações legais adicionais no momento que assinar o Serviço a elas relacionado para que tenha conhecimento da sua aplicação.

Tudo claro e transparente, como acima...

  • Em caso de incumprimento, poderemos terminar o contrato mantido. Isto poderá resultar na impossibilidade de acesso pela sua parte a alguns dos serviços disponibilizados. Não diga que não foi avisado

Meio grosseiro?

  • Poderemos também em acréscimo decidir interromper o fornecimento de serviços. Ainda que não tenhamos planificado qualquer descontinuação de serviço actualmente providenciado, reservamos o nosso direito a fazê-lo." (...)

Oh-oh... Bom, vamos em frente... (os negritos abaixo são nossos)

"Sobre o seu conteúdo

  • A Google não reclama quaisquer direitos de propriedade sobre os conteúdos que são sua propriedade. O que é seu permanece seu.
  • Requeremos que nos providencie licença para os conteúdos que disponibiliza, para que possamos recebê-los e caso assim o requeira, os disponibilize a terceiros.
  • O conteúdo colocado nos nossos serviços normalmente não é nosso. Podemos não supervisionar o que recebemos ou com o que estabelecemos ligação, ainda que em alguns casos o possamos fazer. Não se surpreenda por ver algo de que não goste. Poderá sempre informar-nos desse facto ou simplesmente deixar de olhar."

Vago?

 

Olhando ainda mais de perto...

Bom, vamos dar uma olhada então no conteúdo da versão completa (negritos abaixo nossos):

"11. Conteúdo da sua licença

11.1. Retém direitos de reprodução e quaisquer outros direitos que já detenha no Conteúdo por si submetido, endereçado ou visualizado nos ou através dos Serviços. Ao submeter, endereçar ou visualizar o conteúdo dá à Google uma licença perpétua, irrevogável, mundial, isenta de direitos, e não exclusiva para reproduzir, adaptar, modificar, traduzir, publicar, utilizar publicamente, visualizar publicamente e distribuir qualquer Conteúdo por si submetido, endereçado ou visualizado nos ou através dos Serviços. Esta licença é para o único propósito de permitir à Google visualizar, distribuir e promover os Serviços e pode ser revogada para certos Serviços tal como definidos nos Termos Adicionais desses Serviços.

11.2. Concorda que esta licença inclui o direito da Google tornar esse Conteúdo disponível a outras sociedades, organizações ou indivíduos com quem a Google tem relações para o fornecimento de serviços consorciados, e para o uso desse Conteúdo em conexão com o fornecimento desses Serviços.

11.3. Reconhece que a Google, ao levar a cabo os passos técnicos requeridos para fornecer os Serviços aos nossos utilizadores, pode (a) transmitir ou distribuir o seu Conteúdo por várias redes públicas e em vários meios de comunicação; (b) fazer essas alterações ao seu Conteúdo tal como necessário para conformar e adaptar esse Conteúdo aos requisitos técnicos de ligação de redes, dispositivos, serviços ou meios de comunicação. Concorda que esta licença permitirá à Google desempenhar estas acções.

11.4. Confirma e garante à Google que tem todos os direitos, poderes e autoridade necessária para outorgar a licença supra."

Em síntese, tudo o que eu escrevo no blogger pode ser usado pelo Google, ainda que seja meu? Não sou advogado, mas... entendi errado?

Não acho que se trate de uma armadilha (!) imperialista (!!) americana (!!!) pra dominar o mundo (!!!!), mas acho uma jogada de negócios meio esquisita, que me deixa bastante desconfortável com a postura do próprio Google. Por que isso é necessário? Alguém pode me explicar? Para onde eu mando um e-mail pra perguntar?

Por fim, para confundir mais ainda as mentes sedentas de todos vocês, deixo vocês com um link para um conto muito interessante (em inglês e com traduções para o Russo, sobre a invasão de privacidade e o Google.

Imagine que os governos possam ter acesso aos anúncios que aparecem para você no GMail. Que conclusões eles poderiam tirar disso? Não deixem de ler. Nem de pensar sobre isso.

2 comentários:

La Batalema Pitonisto disse...

Para nós brasileiros essas coisas são difíceis de aceitar – eu mesmo não concordo –, mas para os norte-americanos não.

Essas cláusulas estão perfeitamente de acordo com o conceito de liberdade ianque.

Um país que se considera exemplo de liberdade, onde você não tem liberdade de pensamento político, é vigiado e monitorado dia e noite e até sua religiosidade é avaliada pelo governo… um governo que faz armadilhas para raptar estrangeiros que incomodam ao expor as falhas de liberdade… esperar o quê?

Não estou defendendo o Google, apenas acho que não podemos avaliar nada sem considerar o contexto sócio-político.

[]'s
Cacilhas, La Batalema

Adriano [Próspero] disse...

Será que o conteúdo do Gmail também entra nessa jogada?... =S

Mas de qualquer forma, por mais que cláusulas contratuais eletrônicas me assegurassem alguma privacidade, quem acreditaria que minhas informações online estão completamente seguras? Ainda mais com as políticas anti-terrorismo dos EUA, que atropelam qualquer política de privacidade, e a facilidade com que a corrupção política se espalha no mundo entre os grandes e pequenos governos. Nesse caso, a questão já deixa de ser "sou observado?", para ser "por quem sou observado?"...

Vale a pena dar uma olhada também nesse artigo -> http://idgnow.uol.com.br/seguranca/2007/08/27/idgnoticia.2007-08-27.0948660148/ .

Cuidado, se vc Googlar errado, Jason Bourne pode bater à sua porta (aliás, ele não bate...) hehehe