quarta-feira, 6 de junho de 2007

Como criar conteúdo para a Web (Parte 2/2)

O artigo abaixo é seqüência do artigo "Como criar conteúdo para a Web" publicado neste mesmo blog. Nesta parte vamos fazer algumas considerações sobre o aspecto formal, ou seja que coisas fazer ou não na hora de inserir conteúdo na web.

Considerações sobre a forma

Houve um tempo em que as máquinas de escrever só tinham uma fonte e a única variação possível além dos maiúsculas e minúsculas era o sublinhado (que normalmente era aplicado ao documento passando novamente pela mesma área e teclando o caracter correspondente. Conforme as máquinas foram evoluindo, apareceram recursos como o itálico, o negrito (que antes também era possível, bastava dar uma paulada mais forte nas teclas que precisavam dele), e em seguida, as máquinas começaram a suportar o uso de fontes diferentes e tamanhos diferentes também. Entretanto, mesmo neste universo de possibilidades, todas elas eram limitadas ao bom senso do fabricante, que não deixava de colocar, por exemplo, fonte incoerentes entre si.

Quando vieram os computadores e os processadores de texto, com novos e poderosos recursos, começou a "festa". Cada vez se usavam mais e mais recursos no texto até que chegássemos a um bom senso que não é necessário usar mais de 2 ou 3 tipos de fonte num documento para deixarmos clara a nossa mensagem.

Na web, no entanto, além de termos praticamente as mesmas possibilidades que um usuário tem no papel, temos ainda possibilidades interessantes de multimídia, como animações, cores e sons. E como se trata de uma mídia diferente do papel, devemos ter então uma maneira de colocar as coisas também de maneira diferente. Mas é justamente aí que o caos se instaurou.

Antes de mais nada, visite o World Worst Web, um site que mostra uma dezena de erros comuns quando as pessoas fazem um site web. Este é um exemplo de um dos principais erros das pessoas que montam seu site ou colocam conteúdo na web. Elas são orientadas a recursos versus conteúdo. Elas acreditam, errôneamente, que quanto mais recursos o site tiver (leia-se por recursos: animações inúteis, flash usado desnecessariamente, calendários, previsão do tempo, chat, etc,etc) mais visitação terá. Mas a realidade é ao contrário, como já dito: o conteúdo é rei e reina soberano neste mundo da web.

Fontes (o carnaval dos tipos, cores e tamanhos)

Uma das preocupações que você deve ter são as fontes do seu texto. Em geral, todo o sistema de publicação de textos na web já trata estes aspectos para você. Por exemplo, neste blog, já estão definidas as fontes que os títulos das matérias irão aparecer e também as fontes para o corpo do texto. Estas fontes são definidas por um designer que já previamente pensou isso para nós. Cabe a nós, então, apenas escrever o texto.

Mas, a tentação é grande, eu sei. Basta ver uma barrinha de formatação de fontes e de tamanho que nós começamos a fazer as maiores barbaridades nos textos. E quando existem as opções de cores, então? É aí mesmo que o carnaval começa. Mas siga o meu conselho: resista a tentação e use somente negrito e itálico para grifar as partes importantes do seu conteúdo na web.

Um outro detalhes diz respeito a textos copiados da internet ou ainda, pior, do Microsoft Word. Por alguma razão desconhecida, o Word insere no seu conteúdo códigos de formatação obtusos que acabam comprometendo o layout pré-definido do site.

Caso seja necessário utilizar de textos destas origens, a recomendação é usar algum programa para limpar estes códigos de formatação, ou ainda, na falta deles, colar o texto primeiro no Bloco de Notas (Notepad) e em seguida colar na ferramenta de edição de textos web. Inclusive, este tipo de situação leva a outra mais interessante ainda: pode ser que o texto com estas formatações do Word ou do Internet Explorer apareçam bem quando vistas pelo próprio Internet Explorer, mas podem parecer totalmente obtusas se o seu usuário estiver usando um outro navegador, tal como o Mozilla Firefox.

Tamanho de parágrafos

Pode não parecer tão obvio, mas muita gente esquece de usar os parágrafos, criando textos de um parágrafo só ou ainda textos com parágrafos muito longos. É importante evitar este tipo de erro para não criar um material demasiadamente cansativo para o seu leitor.

Observações gerais

  • Faça uso de links em seu texto, tomando o cuidado de não deixar o visitante meio que sem saber pra onde ele está indo. Quando possível, configure para que o link abra em uma nova janela.
  • Se o texto for muito grande, faça o seguinte: divida-o em tópicos. Fica muito mais fácil a leitura e agradável. Seja claro e objetivo no que for escrever. Evite repetições, pleonasmos e etc..
  • Uma coisa que deve ser evitada são algumas expressões da internet como Qq, tc, vc. Muito cuidado na hora de usarem essas expressões. Apesar de seu uso ser comum na internet, elas não ficam bem no seu site. Evite também o uso de gírias.

Considerações sobre o uso de imagens

As imagens servem para identificar e distinguir elementos na página. Em todo o site existem dois tipos de imagens:

  • as imagens que fazem parte do conteúdo – ou seja, que estão associadas a uma página ou matéria especifica;
  • as imagens que fazem parte do layout – ou seja, as imagens que foram colocadas compondo o site como um todo;

Nos dois tipos de imagem, algumas considerações são importantes:
.
Como usar corretamente as imagens

É sempre interessante usar recursos visuais (nada piscando, por favor) associados ao seu texto. As imagens colaboram com a percepção da sua idéia ou na apresentação do seu produto. Neste caso, precisamos levar em conta algumas coisas:

  • Tamanho das imagens – Sempre procure redimensionar as imagens usadas no seu site. Imagens grandes ficam inacessíveis através de conexão discada e também demonstram amadorismo na edição do conteúdo do seu site. Não tente colocar imagens do tamanho de um papel de parede num ícone ou numa imagem de índice, por exemplo. Uma boa dica de software simples e gratuito para editar imagens é o IrfanView – www.irfanview.com (disponível em vários idiomas);
  • Peso das imagens – Um tamanho de arquivo (peso) adequado para imagens na internet é de 15 a 25k – para conseguir imagens deste tamanho é necessário que um profissional use os filtros de compressão e redução corretos, obtendo o resultado desejado sem perder a qualidade;
  • Qualidade das imagens – As imagens originais devem permitir reduções. Se elas já forem pequenas demais, como poderão ser reduzidas? Além disso, imagens de má qualidade, fotografias amadoras, depõe contra a sua empresa. As imagens que estão na internet normalmente possuem baixa qualidade. Nós recomendamos que você procure fotos nos sites de fotos profissionais como por exemplo o GettyImages – www.gettyimages.com ou no semi-profissional Fotolia – www.fotolia.com – este último fornece fotos para internet a partir de USD 1,00.
  • Direitos – A maioria das imagens usadas na internet possuem direitos. Não é uma boa dica, então, sair usando imagens não licenciadas. Procure nos sites indicados, licencie corretamente as suas imagens e evite problemas posteriores.

Quando não usar imagens no seu conteúdo

Não é obrigatório o uso de imagens em todas as matérias, e nós acreditamos que elas só fazem sentido quando realmente agregam valor aquele conteúdo. Evite também usar muitas imagens num só texto, por que ele poderá ficar parecendo uma galeria de imagens.

Leituras Recomendadas

Useit.comSite do Jakob Nielsen, o papa da usabilidade na web – O site possui uma série de artigos interessantes sobre usabilidade;

Tableless.com.brSite do Diego e do Élcio sobre implementações Tableless (sem tabelas) – Tableless é um método de construir sites, usando os Padrões Web (Web Standards) como guia. Usamos CSS para a formatação das informações apresentadas nos arquivos de marcação de texto, se preferir, arquivos HTML ou XHTML.

Don´t Make me Think – A Common Sense Approach to Web Usability, de Steve Krug – Referência indispensável para entender como estruturar conteúdo e layout;

Design para quem não é designerRobin Willians – O livro introduz ao design e a diagramação, através dos 4 princípios básicos do design: proximidade, alinhamento, repetição e contraste. Usando exemplos de “antes” e “depois”, estimula o leitor a fazer suas próprias experiências. Traz também o básico sobre: tipologia, serifa, estilo, peso, tamanho.

Este documento também pode ser baixado na íntegra diretamente do site da Toaster, aqui.

Um comentário:

Silvia disse...

Entendi que a crítica é muito válida, perante o carnaval e o samba que muitos fazem ao utilizar o computador.
O texto é bastante didático serve para formar consciência crítica e sólida sobre alguns ridículos e desperdícios. Vale a pena pensar em uma ecologia da Web.